quinta-feira, 3 de junho de 2010

Uma mantinha nas costas.

Sabe sempre tão bem termos o nosso tempo indefenido.
Estarmos sozinhos, só para nós. O tempo abranda, literalmente, e por vezes parece mesmo parado. Fazemos quarenta e sete coisas e pensamos "epáh, já devem ter passado umas duas horas.." e quando o relógio nos diz as horas ficamos espantados. Passaram 25 minutos. Só?! 
Ando a precisar de um tempinho desses, sabem ? É o final de um ano lectivo e há muito que pensar. Pelo menos para mim. Já para não falar que já tenho os 17 e parece'me que os 18 são de amanhã e que tenho mil e uma responsabilidades em cima. Tenho que arranjar espaço na minha mente para tudo o que aí se avizinha. Um espaço intemporal. Aí posso, finalmente, ser tudo o que sempre quis.
Para começar, antes de tudo, preciso de tempo e espaço. Para fazer algo sem me preocupar com o tempo, sem me importar com o que estou a fazer, simplesmente fazer.

4 comentários:

Alguém... disse...

Terás esse tempo (: *

Qéé disse...

tem calma, não queiras apressar as coisas

Raphael G' disse...

Estamos juntos na dor.
abraço.

Phantomrider @ disse...

Acho que és mesmo o único.