terça-feira, 24 de agosto de 2010

Docinho.

Mais uma vez acordei com o teu cheiro, único, nas minhas entranhas. Abri os olhos, apenas o suficiente para te ver. Dormias profundamente, mas com um sorriso na cara. Aproximei-me de ti, e beijei os teus lábios ao de leve. Era como chegar ao céu e comer pedacinhos de nuvens. Separei os meus lábios dos teus e virei-me para o outro lado. E, como se os deuses falassem, tu sussuras-te amo-te.

5 comentários:

danó disse...

Obrigada Alexandre :$
O teu texto :| lindoooooo


já publiquei o teu selinho, finalmente :x

disse...

oh :$
foste tão querido.

Qéé disse...

uiiii, *-*
eu senti esse beijinho, $:
senti tudo, menos o teu dedo espetado no meu rabo, xD (calma gente, não é NADA DISSO que estão a pensar)

PauloMitchell disse...

Adorei. Típico texto que eu poderia dizer: «fui eu que escrevi.»

Parabéns <3

Ki disse...

Estou à procura das palavras para me expressar, quando as encontrar, telefono-te. Pode ser? xD